Os mais novos golpes na praça

A cada nova semana, surge uma nova forma de alguém enganar ou roubar alguém. Todos já ouviram falar dos casos da venda de cartões de loteria premiados, do “boa noite Cinderela” seguido da retirada dos rins e do susto ao acordar em uma banheira cheia de gelo e tantos mais, alguns ficção espalhada como verdade pela Internet e outros triste realidade, noticiada pela mídia impressa e televisiva.

A cada nova semana, surge uma nova forma de alguém enganar ou roubar alguém. Todos já ouviram falar dos casos da venda de cartões de loteria premiados, do “boa noite Cinderela” seguido da retirada dos rins e do susto ao acordar em uma banheira cheia de gelo e tantos mais, alguns ficção espalhada como verdade pela Internet e outros triste realidade, noticiada pela mídia impressa e televisiva.

Recentemente recebi um e-mail informando sobre um fato ocorrido em um cinema de Porto Alegre. Segundo a mensagem, um casal foi ao cinema e ao entrar na sala notou um grupo de oito rapazes de bonés e óculos escuros encostados em um corredor lateral. Alguns minutos após o começo do filme, um dos rapazes sentou ao lado do casal e aponta um revólver para a namorada, anunciando que era um assalto. Um outro rapaz leva o namorado para fora do cinema, faz ele sacar R$500,00 de um caixa 24 horas no shopping, comprar tênis de R$500,00 enquanto o rapaz fica com a namorada como refém do lado de dentro do cinema. Depois, levam ele de volta e fazem o mesmo com a namorada. A história ainda segue com um breve seqüestro em que os bandidos abandonam o casal em um matagal e levam o carro, que é encontrado depenado no outro dia. Ao chegarem a delegacia, o delegado informa que é o quinto caso nos últimos dias.

Já chega de inventividade criminosa? Ainda não. Escute essa, aconteceu com um grande amigo, também em Porto Alegre: estava meu amigo voltando em seu carro de um dia normal de trabalho quando o mesmo apaga repentinamente. Não há tempo nem para chegar ao acostamento. Chamado o auxílio mecânico, logo se encontrou o motivo da pane: bateria descarregada. Detalhe a bateria encontrada no carro era daquelas antigas baterias em que ainda era necessária a recarga ocasional com água. O fato é que, em algum momento, a bateria do carro do meu amigo havia sido trocada. Fazendo uma retrospectiva dos dias anteriores, meu amigo chegou a uma conclusão: só poderia ter sido trocada durante o tempo em que ele deixa o carro em algum estacionamento no centro da cidade, daqueles que você fica por 2 ou 3 horas e tem que deixar a chave para manobrarem o veículo.

Em que ponto chegamos? E se outras peças também foram trocadas? Há quanto tempo isso vem acontecendo? Será que já aconteceu com você? Já abriu o capô do seu carro nos últimos dias? De todo modo, não perca o sono. Logo, logo este truque já vai estar ultrapassado e um novinho em folha entra na moda.

Mas nem tudo é desgraça: hoje damos as boas vindas ao nosso novo colunista, Maurício Gomes Angelo, que manterá bimensalmente a coluna Convenções Sociais. Maurício também colabora com os sites Whiplash, Roadie Crew, Duplipensar e Delfos. Um fraterno amplexo e muitos textos inspirados (ou expirados) para você, digníssimo amigo.

Rafael Reinehr