Simplicíssimo

Como reativar hoje a potência política do poético?

Como reativar hoje a potência política do poético?

Esta pergunta, proferida pela psicanalista Suely Rolnik, curadora da exposição “Lygia Clark, da Obra ao Acontecimento – Nós Somos o Molde. A Vocês Cabe o Sopro” que estará aberta na Pinacoteca do Estado de São Paulo a partir do próximo dia 25 de janeiro, faz pensar.

“O que podemos fazer, nestes tempos privados de poesia, para continuar liberando novas possibilidades?” é a pergunta co-irmã, que complementa a primeira.

Em um mundo cada vez mais asséptico, normatizado e normalizado, como gerar estranhamento? Como fazer os indivíduos tomarem de volta a si a percepção e os comandos sobre o próprio corpo? Como exercer a subjetividade inerente em cada um de nós, nos armando das ferramentas capazes de identificar a massificação e a perda desta mesma subjetividade que é levada a cabo pelos meios instituídos como Igreja, Escola, Estado e meios de comunicação?

Mais: como transformar esta reaquisição de nós mesmos em frutos saborosos e saudáveis para aqueles que ainda se encontram inertes embaixo de uma pedra, insensíveis ao mundo que gira sem parar?

São perguntas que fazem pensar, são perguntas com várias respostas certas, são potências, possibilidades. São charadas que levam ao controle do sistema límbico pelo neocórtex e não o contrário, submetendo a razão ao controle indiscriminado das emoções – como ainda vivemos, humanos, demasiado humanos, a maior parte de nós.

A crítica à arte é tão ou mais importante do que a crítica à apatia humana nos dias de hoje, pois ambas são foto e negativo – são as mesmas informações em meios diferentes. Tomando como exemplo nosso próprio país, é praticamente inconcebível imaginar que o mesmo encontre-se em tal estado de torpor ao invés de em franca convulsão social e política dados os fatos recentes de corrupção noticiados vivamente a plenos pulmões.

Façamos, artistas que temos em cada um, uma arte que não instigue somente nossos sentidos mais banais como a visão, o olfato, o paladar, o tato, a audição e a propriocepção; vamos sensibilizar também aquele que nos distingue dos outros habitantes desta nossa Nau chamada Terra e, conclamando a razão, tragamos de volta a alegria, esta entendida pela definição da professora doutora Cláudia Maria Perrone, como o amor ao porvir, o amor à vida que nos resta viver.

E, para nos ajudar a reativar no dia-a-dia esta “potência política do poético”, desejamos as muito boas-vindas ao amigo Urariano Mota, que a partir desta edição é o mais novo colunista do Simplicíssimo. Urariano Mota é pernambucano. Publicou o romance “Os Corações Futuristas“, cuja paisagem é a ditadura Médici. Tem inédito O Caso Dom Vital, uma sátira ao ensino em colégios brasileiros. Conhecido em muitos lugares do mundo, menos no Recife, como ele mesmo gosta de dizer. Urariano vai capitanear a coluna Cartas ao Mar. Desejamos ao novo tripulante toda sorte, sucesso, tranqüilidade e alegria do mundo que seu coração for capaz de suportar! Sê bem-vindo!

Rafael Reinehr

Rafael Reinehr

Comente!

Deixe uma resposta

Siga-nos!

Não tenha vergonha, entre em contato! Nós amamos conhecer pessoas interessantes e fazer novos amigos!