Simplicíssimo

Autor - Dionísio Dinis

Sem título(07)

Génese humana Sou metamorfose tecnológica Sou coração pacemaker Frio engenho executor. Núcleo solar Ou estúpida bomba de neutrões Revejo-me em descobertas inúteis Desprezíveis devires Retrato-me sem cabeça. E sem...

Sem título(05)

Que não mais se cante melodramas, angústias e desencontros do amor. Que se não inculpe o amor, com as incongruências e menoridades de nós próprios.   Não façamos de inexpugnável forte o amor, ele que a ser vida ...

Sem título(04)

Não ser mais que mera dor,   inevitável fado   de cruéis devires.   Cabeça sem coração, mecânico   e frio coração ausente,   estrela de luz já extinta,   em artificiais claridades.  ...

Sem título(03)

Assim, com o mar a beijar-nos os pés, selando um desejo de mãos dadas talvez. Assim, embalados na música do sol No bailar dos olhares, Assim, no desfrute da cor! Deitados, sentados? Pouco importa, se na terrífica...

Sem título(00)

Em verdade pura e bela No real e premonitório sonho Em diáfanas vestes Vieste em corpo de amor Signo sinal Do próprio amor Representação supra universal Ultra-atómica certeza Relatividade em sentimentos superlativos...

Sem título(02)

E calma e tranquila   Sem culpa nem mácula no rosto   saíste em elegante retirada,   sem amarras nem grilhões   detentora da absoluta liberdade.     Vais em contínua busca,   e eu até...

Siga-nos!

Não tenha vergonha, entre em contato! Nós amamos conhecer pessoas interessantes e fazer novos amigos!