Simplicíssimo

Edição 302 (13/11/08) – Como a Endocrinologia pode Evitar o Aquecimento Global

Na semana que passou, estive participando de um congresso de endocrinologia no Rio de Janeiro, e vou compartihar neste breve artigo uma polêmica palestra apresentada por um colega onde o mesmo defende uma maneira não ortodoxa de combater o aquecimento global através da endocrinologia.

A primeira manhã do ICE (Congresso Internacional de Endocrinologia) começou filosófica, porém pragmática. Roger Short , em sua palestra entitulada “Human Population Growth and Global Warming: the Sky is the Limit” (Crescimento Populacional Humano e Aquecimento Global: o Céu é o Limite) rebateu a famosa sentença de Thomas Malthus, que em 1798 afirmou que “o poder da população é indefinidamente maior do que o poder da terra para produzir subsistência desta”, no momento em que afirmou que o limite hoje não está na terra, e sim no céu – ou seja, nas crescentes concentrações de CO2 na atmosfera.

Um dos maiores contribuintes para a progressão das emissões de poluentes e CO2 é, sem dúvida nenhuma, o rápido crescimento populacional. Em 1930, éramos 2 bilhões sobre o planeta, hoje, somos cerca de 6,7 bilhões e a estimativa para 2050 é que sejamos 9,2 bilhões se nada for feito.

Mais pessoas, mais consumo, mais industrialização e produção de CO2, maior aquecimento global, piores condições de vida, menor sobrevida para os “menos afortunados”, aumento da violência, crise e convulsão social, efeitos em cascata…

Hoje temos cerca de um bilhão de pessoas vivendo com menos de 2 dólares por dia no mundo. Como será em 40 anos?

Recentemente, o economista britânico Jeffrey Sachs publicou seu novo livro chamado Common Wealth, onde afirma:
“O século XXI verá o fim do domínio Americano. Os desafios do desenvolvimento sustentável, proteção ao ambiente, estabilizar a população mundial, estreitar as distâncias entre ricos e pobres, e terminar com a pobreza extrema tomarão o centro do palco.”

Otimista? Ou realista?

Mas e afinal, como a Endocrinologia pode ajudar a evitar o aquecimento global?

Tudo começa, segue o professor Short, em 1953, quando Gregory Pincus e M. C. Chang publicaram o estudo “Os efeitos da progesterona e componentes relacionados na ovulação e no desenvolvimento precoce dos coelhos”, em que, administrando progesterona intravaginal ou intramuscular conseguiram, pela primeira vez, inibir a ovulação dos mamíferos roedores. Estava descoberto o anticoncepcional.

O passo necessário agora, segundo Short, é fazer com que os anticoncepcionais não precisem de receita médica para serem adquiridos e que sejam fabricados e distribuídos amplamente em países em desenvolvimento. Uma sugestão, segundo o professor, seria passar a convencer as mulheres a utilizarem o anticoncepcional hoje utilizado via oral por via vaginal, pois desta forma o estrógeno queratiniza o epitélio vaginal, prevenindo a infecção por HIV. Ainda é necessário um estudo mais prolongado sobre esta via de uso para o anticoncepcional oral para definir sua segurança.

E agora, pergunto eu, seriam elas, as mulheres, a peça chave capaz de efetivamente reduzir o aquecimento global?

Polêmica ou solução real? Você decide.

Rafael Reinehr

Últimos posts

Follow us

Don't be shy, get in touch. We love meeting interesting people and making new friends.

Most popular

Most discussed