Simplicíssimo

O Dom

Dom Luigi era um italiano elegante e bonito, na casa dos quarenta anos, que começava a sua rotina de trabalho em Chicago no meio da tarde. Passava rapidamente na boate Star Night, num prédio de esquina muito bem conservado e administrado rigidamente pelo Dom. Ele checava o suprimento de bebidas, o livro caixa, depois ia ao bar no piso superior tomar o seu drinque. Sob o olhar voraz do Dom, as dançarinas – jovens loiras americanas -, no piso inferior da boate, caprichavam no ensaio para o show da noite.

O Dom saboreava tudo: a bebida, o charuto Havana, o ensaio. As dançarinas porém, não lhe despertavam mais nenhum prazer especial, pois eram casos antigos do Dom.

Foi então que viu Mary Lou. Foi atingido pelo “raio”, como diriam os sicilianos: soube que teria que possuir aquela ragazza vibrante, apetitosa, deliciosa.

Quando saía da boate o Dom ia para o que chamava de seu “verdadeiro trabalho”: a Luigi Express, num prédio de primeiro andar e com entrada e saída para duas ruas.

Nos fundos do prédio,de madrugada,o movimento de caminhões era intenso, com caixas e caixas de whisky; na frente, escassos e ingênuos veículos diurnos carregavam e descarregavam frutas, azeite e cereais.

“Bendita Lei Seca!”, pensava o próspero Dom, em seu amplo escritório, com uma antiga escrivaninha, poltronas de couro e quadros da Sicília.

**

O tenente Smith chegava ao prédio do FBI às nove da manhã, religiosamente.

Colocava o paletó no espaldar da cadeira de couro gasto, dava uma vista de olhos sobre os documentos na pequena escrivaninha: os relatórios que os agentes lhe mandavam sempre abordavam o tema da lei seca, das cargas ilegais de whisky, de cigarros.

Há tempos que Smith cercava o Dom, tentando associá-lo aos negócios ilegais de bebida, mas sem sucesso: aquele carcamano era experiente, escorregadio e subornava parte da polícia e até do próprio FBI!

**

Mary Lou irradiava energia sensual à sua volta, daí ser uma das dançarinas mais requisitadas da Star Night pelos freqüentadores.

Mary agüentava aqueles homens grosseiros e pobres, porque sabia que a boate era um degrau para atingir sua meta: ser cantora em Nova York, num ambiente com homens ricos e atraentes.

Ela notou o olhar de desejo do Dom, e avaliou a situação: “eu como um spaguetti agora e a sobremesa é uma Big Apple”.

**

O Dom passou quinze dias na Itália com Mary, em verdadeira lua-de-mel.

Enquanto isso, Smith trabalhava: levantou várias informações sobre a viagem do Dom, e sobre Mary Lou.

Quando o casal voltou a Chicago, Smith teve todo o suporte legal para prender e encerrar as atividades do italiano: Mary era menor de idade, imigrante ilegal, e tinha sido aliciada por Dom Luigi.

FIM

Jackson Franco

Últimos posts

Follow us

Don't be shy, get in touch. We love meeting interesting people and making new friends.

Most popular

Most discussed